Durante o ano de 2016 o IEB realizou um conjunto de ações visando qualificar a situação atual das cadeias de valor do agroextrativismo no sul do Amazonas, com apoio do Fundo Vale. O objetivo foi construir bases para uma estratégia de fortalecimento das cadeias de valor mais importantes para a população agroextrativista e indígena da região. O resultado foi uma série de notas técnicas sobre o agroextrativismo neste território. Fechar

26 de Outubro de 2017

IFT fomenta cadeia do açaí e da madeira no Marajó

Aprovado pelo Fundo Amazônia, projeto Florestas Comunitárias, do IFT, busca implementar modelos de manejo florestal comunitário para uso e comercialização de madeira e açaí no Marajó.

Sensibilização para o Manejo Florestal Comunitário ocorrido na Resex Mapuá (Breves-Marajó). Foto: arquivo IEB.

Sensibilização para o Manejo Florestal Comunitário ocorrido na Resex Mapuá (Breves-Marajó). Foto: arquivo IEB.

Com o intuito de contribuir com o desenvolvimento local e potencializar a produção agroextrativista desenvolvida por comunidades, o Instituto Floresta Tropical (IFT) aprovou um projeto junto ao Fundo Amazônia (gerenciado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES), para atuar em três Reservas Extrativistas (Resex): Mapuá, em Breves, Arióca Pruanã, em Oeiras do Pará, e Terra Grande-Pracuúba, nos municípios de Curralinho e São Sebastião da Boa Vista, no Marajó.

O projeto “Florestas Comunitárias”, já apoiado pelo Fundo Vale, tem o objetivo de colaborar na implementação de modelos de manejo florestal comunitário para uso e comercialização de madeira e açaí. A iniciativa pretende fortalecer a organização social, gerar renda e contribuir para a redução do desmatamento em Unidades de Conservação de Uso Sustentável.

Leia na íntegra em http://ift.org.br/parceria-entre-ift-e-fundo-amazonia-vai-fomentar-cadeia-do-acai-e-da-madeira-no-marajo/